Nossos Valores

O MOVIMENTO DO TREVO acredita que a moderação é uma reação legítima à época violenta de extremismo em que vivemos. É uma virtude chave sem a qual, todo humano, uma vez no poder, é corrompido. 

Por isso, defendemos que a postura moderada deve ser considerada como mais do que uma virtude circunstancial ou um mero traço de caráter. Ela é um arma combativa e ousada que pode ser compartilhada por diversos atores de todos os lados do espectro político (não apenas no centro) em seus esforços para promover reformas políticas e necessárias, defender a liberdade e manter a democracia equilibrada.

Por rejeitar o pensamento ideológico, a moderação implica uma boa dose de coragem, inconformismo, flexibilidade e discernimento fundamentado em uma concepção complexa e eclética do mundo.

Finalmente, como virtude civil a postura moderada está relacionada com a temperança e oposta à violência, a moderação respeita a espontaneidade da vida e o pluralismo do mundo e pode nos proteger contra o orgulho, a unilateralidade, a intolerância e o fanatismo em nossos compromissos morais e políticos. E é com base nisso que desenvolvemos os valores do MOVIMENTO DO TREVO.

Moderação requer Coragem

Não há covardia maior que ser popular no paraíso do purismo ideológico. Sair da zona segura da sua tribo e se jogar em um terreno de embates ideológicos, sob diferentes visões de mundo, é um ato de coragem, pois podem externar a você o tamanho da sua ignorância. Os moderados não têm medo de se enxergarem ignorantes, eles têm medo de morrerem ignorantes.

Política não é Guerra

Em um estado de direito, os únicos inimigos dos cidadãos são os criminosos e os que vivem na ilegalidade. Portanto, pessoas íntegras que se colocam no debate político, com visões de mundo diferenciadas, não são inimigas, mas concorrentes capazes de aprimorar nossa visão de mundo e reafirmar nossos propósitos. E só uma concorrência saudável pode nos transformar em pessoas melhores e mais sábias.

Moderados são Reformistas

A reformas mais importantes que o Brasil precisa só serão construídas com diálogo aberto e corajoso. O Brasil apresenta muitos problemas estruturais e é preciso procurar minuciosamente pelas soluções. Moderados se abrem ao debate para resolverem os problemas da forma mais eficaz possível e não se prendem em discussões ideológicas sem rumo, que constroem uma cortina de fumaça sobre as soluções viáveis e possíveis. Moderados não são mediadores de debate; pelo contrário, são agentes do debate com foco na resolução de problemas. Moderados estão dispostos a ceder seu protagonismo para a construção de país melhor.

Moderados não são Isentões

Moderados apresentam posições claras sobre seus posicionamentos políticos, mas eles não agem com hostilidade com quem pensa diferente. Exercitam a humildade como uma virtude fundamental do fazer político.

Moderados não negam experiências amplamente aceitas internacionalmente

Moderados partem do pressuposto que toda ação ou política amplamente adotada no mundo democrático deva merecer atenção e importância no debate político. Logicamente que eles não se fecham a novas ideais, mas elas sempre devem ser comparadas com as ações já difundidas e exitosas.

O Partidarismo não pode ser ofuscante

Moderados não enxergam a política partidária como uma seita. Logo, por mais que componham o quadro de um partido, e militem para ele, são capazes de reconhecer boas práticas em oponentes e de criticar colegas de trabalho.

A Coerência é Dinâmica

Não existe uma resposta correta e única para as grandes questões políticas apresentadas sob contextos diversos, por isso, moderados entendem que cada conjuntura acomoda uma solução mais viável. Uma política moderada é capaz de buscar essas soluções a partir da tensão entre duas ou mais visões, considerando que cada uma possui um pedaço da verdade. Moderados entendem que a política é um desdobramento dinâmico, não um debate que pode ser resolvido de uma vez por todas.

Os debates dos moderados são conduzidos por comunicação não violenta

Moderados desenvolvem a habilidade de ser comunicar com empatia, por meio da escuta ativa e profunda, onde o debate é construído de forma democrática e respeitosa.